A Morte Não Existe

Mensagens, depoimentos e informações sobre a história da Joyce

Arquivo para julho, 2015

A descoberta de uma nova classe de partículas no LHC

O Rodrigo publicou esta matéria, como segue:

Amigos e alunos,

Esta notícia publicada recentemente pelos meios científicos e largamente divulgada, deverá abrir novas perspectivas não só no campo científico, mas também dentro dos desdobramentos na espiritualidade. Vamos ficar atentos.

A descoberta de uma nova classe de partículas no LHC

pentaquark representa uma forma de agregar os constituintes fundamentais dos prótons e nêutrons normais em um padrão que nunca foi observado antes.
Por CERN, em Genebra, Suíça | Publicado em: quarta-feira, julho 15, 2015

quarksinapentaquark

O experimento LHCb no CERN do Grande Hadson Collider relatou a descoberta de uma classe de partículas conhecidas como pentaquarks.

“O pentaquark não é qualquer nova partícula”, disse o porta-voz do LHCb Guy Wilkinson. “Ela representa uma forma de agregar quarks, nomeadamente os constituintes fundamentais de prótons e nêutrons normais, em um padrão que nunca foi observado antes em mais de 50 anos de pesquisas experimentais.

Estudar suas propriedades irá nos permitir entender melhor como a matéria ordinária é constituída, com os prótons e nêutrons a partir da qual todos somos feitos.

“Nossa compreensão da estrutura da matéria foi revolucionada em 1964, quando o físico americano Murray Gell-Mann propôs que uma categoria de partículas conhecida como bárions, que inclui prótons e nêutrons, são compostas de três objetos fracionalmente carregados, chamados quarks, e que outra categoria, mésons, são formados de pares quark-antiquark.

Antiquarks são quarks de antimatéria. Gell-Mann recebeu o Prêmio Nobel de Física por este trabalho em 1969. Este modelo quark também permite a existência de outros estados do quark compostos, tais como pentaquarks compostos por quatro quarks e um antiquark.

Experiências anteriores que procuraram pentaquarks foram inconclusivas. O experimento LHCb é diferente porque ele foi capaz de olhar para pentaquarks de muitas perspectivas, com todos apontando para a mesma conclusão. É como se as pesquisas anteriores estivessem procurando silhuetas no escuro, enquanto LHCb conduziu a busca com as luzes acesas, e de todos os ângulos.

O próximo passo na análise será estudar a forma como os quarks estão unidos dentro dos pentaquarks.

Fonte original em inglês: http://www.astronomy.com/news/2015/07/discovery-of-a-new-class-of-particles-at-the-lhc

Anúncios

Em 9 de abril, 2003, a Joyce comentou “a rotina do outro lado”…

Em 9 de abril, 2003, a Joyce comentou “a rotina do outro lado”…

O Universo

O Universo

“Querida Mãe,

O tempo aqui é bem diferente daí. A impressão do tempo passando depende de teu estado de espírito. Se estás angustiada, esperando por algo, parece que o tempo não passa. Se estás ocupada num trabalho, meses parecem minutos. Mas, para poder responder tua pergunta com mais precisão, fui pesquisar e consultar algumas pessoas. Quando tu vens para D4, tu podes, pelo menos teoricamente, tomar a forma que queres. A maioria das pessoas mantém a forma que tinham na última passagem por D3, sendo que algumas preferem rejuvenescer ou amadurecer um pouco, dependendo da sua aparência quando partiram daí. Mas é possível tu assumires uma forma, e até uma identidade, de outra encarnação. Ou uma forma e uma identidade inventadas. Por exemplo, entre as pessoas que partem de D3 muito atrasadas, existem aquelas que se identificam com maus espíritos de seitas afro-brasileiras. Então, alguém mau que tu conheces, por exemplo, quando sai daí pode se tornar um ‘Exu’ de quimbanda ou candomblé. Ele só está assumindo um papel de um personagem com quem ele se identificou. E assumindo esse papel, ele assume a identidade, as características e a aparência desse personagem.

Mas, voltando ao tempo, tinha a impressão de que aqui em D4 o tempo não passava, tu simplesmente não envelhecias. Acreditava nisso até tu me mandares este e-mail, aí fui perguntar e descobri que aqui o tempo passa mais ou menos mil vezes mais devagar que aí, ou seja, mil anos em D3 equivale a um ano em D4. Ficaste surpresa? Eu também! Acabei de saber disso. Quanto à aparência, depois que fiquei sabendo que poderia assumir a aparência que quisesse, fiquei com uma dúvida: se eu for trabalhar, como eu espero, com curas ou seja lá o que for, através de um médium, minha imagem ficará exposta aos videntes presentes (tu não acreditas como é grande o número de videntes!). Mas eu não quero ter outra cara! Então pensei, que como minha carinha de menina pode não passar muita confiança para quem me ver, eu poderia amadurecer um pouco, ficar com uns 16 anos, mais ou menos a cara que eu teria se ainda estivesse aí hoje. Seria eu mesma, um pouquinho mais velha. Aí eu poderia manter essa nova cara velha até meu retorno, até sei lá quando. O que tu achas? Responde!

A minha aparência hoje é igualzinha à que eu tinha aí, só sem os metais, que a minha querida amiga Pat ensinou a me desapegar, o que me ajudou barbaridade quando eu parti.

Nova Capa

Livro da Joyce

Tu não tens ideia, aqueles brincos eram minha grande ligação com o material. Se eu tivesse partido com eles, acho que teria muitos problemas nos primeiros tempos, não pelos brincos, mas pelo que eles representavam, meu apego à matéria. Quando ela me mandou tirar os brincos, estava me preparando para a transição, que ela percebeu que estava chegando. E como ajudou…Tu te lembras que o Papi disse ‘não precisas tirar tudo, fiques com um só’, e eu disse ‘não, ela mandou me livrar de todos os metais’. Ou foste tu que disseste isso? Não, acho que foi o Papi mesmo. Ele estava junto na nossa última viagem juntas pra Abadiânia? Acho que não, né? Ou estava? Estou um pouco confusa.

Não estou mais gordinha não, viu? Mas o meu defeito foi ‘consertado’ na segunda semana depois da minha partida. Tu te lembras que o Dr. Augusto de Almeida disse: “Quando voltares, com outra roupa, eu te operarei! ” Ele cumpriu a promessa e me curou completamente. Nunca mais quis saber disso, esqueci!!! Mãe, datas aqui são difíceis de lembrar, porque nós não temos preocupação com o tempo como o pessoal de D3, não é que eu não lembrei do aniversário do Papi, eu simplesmente não sabia que dia era. Acho até que mandei um e-mail para ele no dia do aniversário, não mandei? Mas, no dia, eu nem sabia que dia era. Diz a ele que eu pedi desculpas por isso, mas provavelmente vou esquecer nos outros anos também…. Quantos anos ele fez?

Mãezinha querida, eu tenho toda certeza do mundo que não fazes isso conscientemente, as quando dizes que esperas que eu não me esqueça de teu aniversário, tu estás, inconscientemente me fazendo uma cobrança que me prejudica, pois eu fico tentada a te fazer feliz e dou outra prova que já não são poucas: o nome do Vovô Albert, na primeira carta psicografada, o puxadinho, a palavra Papi, a Betina com os comentários dela sobre uma ‘entidade superior’, e outras coisinhas mais que não lembro agora. Além disso, também sofro em saber que tu esperas que eu lembre e eu nunca sei que ano é, quer dizer, que mês é, quer dizer, que dia é! É, as coisas aqui são meio atrapalhadas, quando se fala de tempo! A Debbie me contou que uma vez, a mando do médium João, em Abadiânia, o Eden foi fazer um trabalho de desobsessão e ela (a Debbie) trabalhou e levou um cara que jurava que estavam em 1847! Ele não percebeu a passagem de 150 anos!

Eu li o e-mail do Papi e estarei esperando vocês hoje, quarta-feira, 9 de abril (tive que olhar no computador para saber de tudo isso!), às 21 horas, no puxadinho do Pai. Estarei lá com a Debbie a partir da 19h30 / 20h00 horas, preparando o ambiente. Arrumaste a Oração de São Francisco?

Não te esqueças de mandar um relatório completo, incluindo as horas que aconteceram as coisas, descrevendo, com horário, tudo que sentiste, para ser analisado por quem entende e me ensinar a te orientar. E o Papi também.

Outro livro…desculpa, mãezinha, mas é tão gostoso te escrever!

Beijão!!!!!!!!!!!!!

Tua Joyce. ”

Andréia Villela comentou o livro….

Olá Luiza, boa tarde!
Neste momento, acabo de finalizar a leitura do livro “A morte não existe” e é com muita emoção que lhe escrevo, pois a história de vocês é linda, reflete o amor, a união, a fé, a bondade e a coragem, principalmente para as mudanças que se fazem necessárias e que muitas vezes não conseguimos enxergar.
A Joyce é um anjo, um ser de muita luz que me transmiti tanta paz, tanto amor e nos convida ao novo-velho, a olharmos de dentro para fora, observar nossas condutas, vigiar nossos sentimentos, rever atitudes e correr atrás da nossa verdadeira missão terrena, tudo através dessa leitura, das suas mensagens aqui nos transmitida. Ela revirou meus pensamentos, minhas indagações, me estimula a rever atitudes, condutas, orienta o caminho…tudo de um modo tão ser, tão simples!
Deixo aqui registrada minha eterna gratidão à vocês e ao nosso Pai de infinita sabedoria e amor, pela oportunidade de fazer essa leitura tão despretensiosa, à pricípio, quando comprei o livro na Casa de Dom Inácio de Loyola e por me sentir radiante de amor, instigada às mudanças, a romper paradigmas e persistir no amor, na caminhada com fé, caridade, coragem e sabedoria, muito obrigada!
Sintam-se fortemente abraçados 🙏🏼❤️