A Morte Não Existe

Mensagens, depoimentos e informações sobre a história da Joyce

Arquivo para Mensagem da Joyce

Encontrei hoje esta mensagem da Joyce…

Encontrei hoje esta mensagem da Joyce, de 2003, mas pensei ser algo apropriado para iniciarmos mais um ano, mais um ciclo…

 

“O ser humano é engraçado!

 

Sua relação com as pessoas queridas que ‘partiram’ para outra dimensão é puramente material.

 

Eles guardam fotos, cartinhas, roupas, objetos, brinquedos, todo tipo de coisa que pertencia àquela pessoa, enquanto esteve vivendo junto deles, como se isto simbolizasse ou resumisse a vida daquele que se foi. O entendimento da ‘morte’, praticamente não existe. Eles a colocam como um ponto final de uma existência, como se a partir dali tudo se acabasse, como se aquele ser simplesmente evaporasse. Só ficando lembranças, torturas, arrependimentos e perguntas sem respostas.

 

A morte não existe como um todo. Fica aí o corpo, que é uma vestimenta temporária, mas a essência continua. O indivíduo passa para outra dimensão, apenas isso. Parece misterioso ou incompreensível, somente pelo fato de que, hoje, não podemos ver este Ser nesta outra dimensão. E aquilo que as pessoas não vêm, não acreditam.

 

Mas isto vai mudar. Num futuro próximo, todos terão a oportunidade de ver e se comunicar com os seus familiares e amigos que já partiram. Vai depender da evolução de cada um. A oportunidade de crescimento está sendo dada: nos livros, revistas, entrevistas, televisão, jornal. Em todos os locais estão sendo semeados assuntos para despertar a atenção a estes fatos polêmicos. Muitos exemplos estão sendo apresentados, muitas experiências estão sendo vividas e transmitidas, mensagens em sonhos, pensamentos estranhos, sensações…

 

Devemos estar atentos a tudo o que acontece em nossa vida e parar de desconfiar e duvidar dos fatos. Se ficarmos quietos, observando, escutando e refletindo sem julgar, estaremos nos dando a oportunidade de entender o que está nos sendo ensinado.

 

Que a vida continua, não resta a menor dúvida. Estou aqui como prova disto. Mas para muitos de vocês não deve ser o suficiente, pois não me conhecem nem me estão vendo.

 

A única maneira de obterem a prova é através de vocês mesmos. Abram o coração, libertem as amarras do medo e da dúvida. Não questionem nada, apenas sintam. Deixem que a pureza da alma se manifeste. Entreguem-se e reflitam. Conectem-se com o Ser Supremo e ele dará as respostas. Acreditem no que sentirem e pressentirem. Isto é de vocês para vocês. Não comentem, guardem para si. É o começo do despertar, do crescimento, da verdade.

 

É sua sabedoria milenar ressurgindo de seu interior. Ela sempre esteve lá, mas agora podem libertá-la. Façam uso dela para crescer novamente. Lancem mão das armas que já foram suas e pratiquem o que já sabiam: o amor, a compaixão, a doação. Com estas armas, vocês conseguirão lutar e conquistar seu espaço eterno. Levarão consigo cada irmão que está a seu lado e uma nova realidade surgirá. Um novo mundo, sem guerras e desigualdades se formará. E neste momento, após sua purificação, vocês estarão também vibrando, junto com o planeta, numa dimensão superior, com valores nobres e verdadeiros.

 

A luta já começou. Muitos estão no meio da batalha e nem se deram conta. Mas aproveitem estas palavras para acordarem e se ajudarem, para que o processo seja mais rápido, consciente e eficaz.

 

Inspirem profundamente a energia pura da natureza e expirem com força, pela boca, colocando para fora tudo o que atrapalha, que pesa, que dói. Expilam as dúvidas, os sentimentos inferiores, os ressentimentos. Respirem amor e ponham para fora o rancor, o ódio, a inveja, tudo o que pesa, pois já não é mais seu.

 

Façam este exercício diariamente até sentirem que não têm mais coisas ruins para expelir.

 

A partir daí, uma nova vida surgirá. Vocês viverão no amor, na harmonia, na doação. Tudo será mais leve e aos poucos suas vidas tomarão outro rumo. Tudo começará a se ‘encaixar’, os valores mudarão, os objetivos simplificarão. E vocês se perguntarão: ‘Puxa, por que não pensei nisso antes?’. Pois agora vocês terão a prova que é possível mudar e crescer. Resta então, continuar, porque esta foi só uma etapa. Temos que continuar, praticando sempre, ajudando o próximo, dando as mãos para aqueles que ainda estão ‘tateando no escuro’, pois têm olhos, mas não enxergam.

 

Cada um tem o seu tempo e temos que respeitar, sem deixar de ignorar. Quanto mais auxiliarmos o próximo, mais rapidamente formaremos e viveremos num TODO melhor.

 

Façam a conta: se despertarmos o amor num irmão levaremos em tempo ‘x’, se despertarmos em dois irmãos levaremos a metade do tempo, se for em quatro, será num quarto de tempo. E se cada irmão despertado fizer o mesmo? Vejam a responsabilidade que temos! E confessem: Não é tão difícil, não é mesmo? Tenho certeza de que conseguiremos. Todos são bons, são filhos do mesmo Pai e queremos o mesmo bem. Então, mãos à obra!”

 

Joyce (22 de outubro de 2003)

 

Um ótimo ano de 2014 a todos!

Beijos, e fiquem na Luz!

Nossa missão é escalar a montanha

A folhas tantas do livro de Joyce deparei-me com esta mensagem inspiradora para nossa caminhada, que quero compartilhar com vocês:

“Nossa missão é escalar a montanha.

Lá em baixo nós crescemos, nos criamos, recebemos informações e conceitos. À medida que subimos, os conceitos, as informações e os objetivos de vida, vão mudando. Escorregamos, caímos, nos machucamos, pois a escalada é árdua, mas nosso objetivo agora é chegar ao topo.

Lá está o Senhor da Sabedoria.

Nesta subida está a nossa escola, nosso aprendizado. Vamos nos modificando a cada passo. Vamos atualizando nossos ‘registros’ de consciência.

O que era importante antes, agora já não é mais. A carga vai aliviando. Ao invés de ficar cada vez mais pesada nossa subida, ela deve tornar-se leve como uma pluma, contrariando as leis da física. Tudo depende de nós. De aceitarmos as mudanças, de abrirmos nossos corações para sentimentos puramente nobres. Cada fardo pesado deve ser deixado pelo caminho e substituído por amor, tolerância, abnegação e fé.

Nesta caminhada não podemos levar nossos bens materiais, pois não daríamos muitos passos com eles. É muito pesado. Precisamos deles para sobreviver e devemos levar o suficiente até chagarmos em cima, mas não podemos fazer disso uma prioridade em nossas vidas.

Enquanto que o amor, a consciência, a certeza de termos feito o que podíamos pelos outros e principalmente por nós mesmos, estes não pesam. Só nos dão alegria e satisfação.

E quanto mais bagagens leves carregarmos, antes chegaremos ao topo.

E aí sim, tudo será festa! Ao lado do Pai, com a missão cumprida, beberemos do cálice da vida eterna.

Sem mais sofrimentos.

Joyce” (24 de outubro de 2003)

Beijos, e uma ótima semana!

Fiquem na Luz!

A Terra é uma escola por onde passamos algum tempo para aprender e ‘testar’ o que aprendemos…

“A Terra é uma escola por onde passamos algum tempo para aprender e ‘testar’ o que aprendemos. Tudo o que nos acontece aqui, são experiências pelas quais podemos aprender e crescer. Todos os fatos que consideramos difíceis ou até muito fáceis, são experiências chamadas ‘testes’, para questionar nosso conhecimento e principalmente nossa fé. Quanto mais difícil a experiência, mais nossa fé é testada. E podemos simplesmente ‘repetir o ano’, se não conseguimos aprender, evoluir e compreender ‘porque’ estamos passando por isso ou aquilo.

Terra com Lua Cheia

Terra com Lua Cheia

O sofrimento é o maior trampolim para o progresso espiritual. Pena que muitos não entendem dessa forma e se entregam ao desespero e revolta, permanecendo assim, no mesmo lugar. Sofrem e não aprendem.

Isto parece difícil para entender, mas é como uma escola comum. Temos que estudar e provar que aprendemos e crescemos. Desta forma estaremos evoluindo e nos conectando com as vibrações maiores, subindo de nível e nos afastando cada vez mais das vibrações inferiores. É isto que Deus quer. Que nós mesmos façamos a escolha, separando o joio do trigo.

A grande diferença de tudo o que aprendemos, é que esta seleção será feita por nós mesmos e não por Deus, conforme nos foi ensinado.

Portanto, está em nossas mãos e mais ainda, ao nosso alcance, de atingir a perfeição, a sublimação.

Deixa teu Deus interior explodir, espalhando pelo Universo, milhares de partículas de Amor!”

Deixa teu Deus interior explodir, espalhando pelo Universo, milhares de partículas de Amor!”

Deixa teu Deus interior explodir, espalhando pelo Universo, milhares de partículas de Amor!”

Beijos, e fiquem na Luz!

Tudo o que temos e conquistamos é temporário…

Segue mais uma mensagem da Joyce, que pensei ser apropriado ao momento pelo qual estamos passando:

“Temos que nos libertar da possessão. Nosso objetivo na Terra é de possuir e dominar. Queremos ter cada vez mais bens, dinheiro, etc. Até mesmo as pessoas, queremos tê-las para nós, à nossa disposição.

Tudo o que temos e conquistamos é temporário, é emprestado. Nada disso se leva quando partimos. Se nos foi confiado, foi para termos condições de sobreviver para aprender. Os bens materiais são nossa sobrevivência para que nosso espírito e nosso coração possam se manifestar, através da experiência, do aprendizado e da sabedoria, com o auxílio dos seres que estão ao nosso alcance.

Temos que mudar o enfoque sobre as coisas. Não estamos aí somente para constituirmos uma família, trabalhar e aguardar a velhice. Seria muito pouco!

Não teríamos outro objetivo além deste? Gastaríamos uma vida inteira na terra somente para sobreviver até a “morte” chegar? Deus nos “colocaria” no mundo apenas para isso?

Não, meus queridos, Ele quer mais! Temos condições de muito mais. O ser humano tem uma força muito maior, que ainda desconhece. Ele tem dons que nunca usou; tem conhecimentos armazenados que nunca desabrocharam. Por que? Porque não nos permitimos a isto; porque não nos alertamos de nosso potencial. Os poucos que o descobriram, foi através da dor intensa, do sofrimento, da perda. Quando precisaram suportar o insuportável. Aí foram buscar a força interna para ter o entendimento através do conforto.

Infelizmente o homem só se preocupa com descobertas fabulosas “externas”. Faz pesquisas, expedições, descobre curas através de drogas, resolve vários problemas e situações. Mas tudo é buscado fora dele, através da natureza (mesmo que implique na sua destruição), na clonagem, na guerra, nas experiências. É o ego trabalhando “em prol” da humanidade.

Seria realmente para isto que estamos aqui? E aquele que não teve instruções e um trabalho digno? Este veio só para sofrer? E aquele que já veio doente? E aquele que injustamente perdeu tudo? E aquele inocente que foi sacrificado por doença, assassinato ou acidente? E as diferenças sociais? Seria Deus tão justo para alguns e tão injusto para outros?

Não, Ele não é injusto! Nosso enfoque é que está errado!

O desenvolvimento é necessário. Mas acima de tudo está nosso desenvolvimento interior, nossa maneira de agir, de viver, de ser em relação a nós mesmos e ao próximo. Não podemos julgar os outros sem olharmos primeiro para dentro de nós mesmos, sem limpar e ordenar nossa vida interior. Após, com certeza, veremos tudo de outra forma e compreenderemos o outro como ele é. Os valores, as atitudes e os conceitos mudarão. Buscaremos outra realidade, outra forma de amar e crescer. A cura estará dentro de nós. A tecnologia será usada racionalmente para o bem comum, sem rótulos ou propriedades. O aprendizado fluirá, pois o estaremos buscando dentro de nós. A doação será espontânea, a solidariedade uma constância e a união uma realidade.

Para atingir este estágio, todos têm as mesmas condições. Não depende de inteligência ou condições sociais. Basta querer buscar dentro de si o que já está lá. Só isso!
Com a prática desta pureza de pensamento, estaremos revertendo às situações mais complexas de cura, aprendizado e evolução.

Joyce” (28 de outubro de 2003)

Sem mais palavras, beijos, e fiquem na Luz!

Jovens, detenham-se na simplicidade das coisas!

Abri o livro da Joyce hoje e encontrei esta mensagem aos jovens:

“Gostaria de deixar um incentivo aos jovens que na busca da ânsia de viver, se detenham na simplicidade das coisas. Não quero servir de exemplo para ninguém, mas devido às minhas restrições, deixei de experimentar certas situações como exibicionismo, mesquinharia, grupinhos fechados, etc.

Tive poucas amigas de verdade, de coração mesmo. Mas a amizade que tive era verdadeira e infinita.

Minha infância foi muito feliz. Vivenciei muito e curti demais minha família. Minhas atividades eram saudáveis. Sempre pude fazer o que gostava, mas dentro de normas salutares. Tive minhas broncas também como qualquer adolescente. Fiz muita bagunça com amigas em casa e na praia. Acampava com minha amiga Natália na sala de casa, onde ficávamos até tarde assistindo TV, comendo pipocas, sorvete, assistindo filmes (muitas vezes de terror, o que não nos deixava dormir de medo). Às vezes acampávamos numa barraca no jardim de casa. Era uma ventura. Muitas vezes o acampamento terminava a meia noite, quando entrávamos em casa, mortas de medo dos barulhos estranhos. Era muito divertido. Até parecia que gostávamos de sentir medo. Riamos de nós mesmas, do nosso medo, da nossa imaginação. Estas experiências marcam nossas vidas, pois são momentos de liberdade, de contatos e vivências com amigos e a natureza que ficam registrados para sempre.

É para este ponto que gostaria que observassem mais: a natureza, a simplicidade, a amizade. Existem tantas opções de divertimento saudáveis e os jovens buscam sempre o mais complicado, o mais perigoso. Divertimento noturno é bom sim, periodicamente. Não como meta de todo o final de semana, pois estarão gastando seus dias de lazer sempre da mesma forma e deixarão de conhecer novas opções, pois não terão tempo para isto.

Não pensem que é “mico” sair com os pais, acampar, encontrar amigos em suas casas, conversar, tomar banho de piscina com amigos, caminhar, ir a um parque, etc. Estas são atividades sadias que somarão experiências para suas vidas, pois terão que tomar decisões, resolver pequenas situações, enfim, tomar atitudes. Não estarão sendo “levados pela massa” a fazer tudo igual a todos. Terão oportunidade de demonstrar suas habilidades e conhecimentos. Aprenderão a ser pessoas completas, diferentes, pessoas de decisões.

Isto somará pontos valiosos em suas vidas, seu futuro, pois pensarão duas vezes antes de serem direcionadas a caminhos tortuosos. Saberão como discernir o bem do mal, o bom do ruim, o verdadeiro do falso.

Acreditem em vocês, pois vocês são especiais. São jovens que formarão uma sociedade nova, mais humana, saudável, correta, fiel a seus princípios, justa e evoluída.

Necessitamos desta geração consciente de suas responsabilidades para termos o apoio necessário para as grandes mudanças.

Vocês são a chave de ouro para o salto evolutivo que se aproxima.

Aproveitem a vida. “Curtam” com alegria cada momento e busquem no aprendizado a prática de suas ações.”
Beijos, e fiquem na Luz!

Façam tudo aquilo que sempre pensaram em fazer…

Logo após sua partida Joyce mandou a mensagem abaixo, que tem a ver com a passagem:

“Vejam o meu caso, antes de partir. Vejam como nós somos preparados e orientados para tudo. Eu tive o tempo necessário para ir ao local que mais gostava e de estar com quem eu realmente amava. O último mês foi maravilhoso. Se não cheguei a conversar com todos os meus queridos, podem ter certeza que senti cada um em meu coração. Foi uma despedida sutil.

Assim todos são orientados a cada segundo de suas vidas. Nossos mentores ou anjos da guarda estão sempre a postos para nos mostrar o caminho, orientar em nossas decisões e até nos carregar no ‘colo’ quando necessário. Tudo está a nossa disposição, basta aceitarmos e entendermos estes gestos de amor.

O nosso racional muitas vezes não nos deixa ‘ver’. Nós não temos tempo para pensar em coisas abstratas. Precisamos resolver as coisas agora e não podemos contar com ninguém. Além do que, nós nos achamos mais competentes que qualquer outro. Nós somos os donos da verdade. Ninguém faria melhor do que nós mesmos. Somente podemos confiar em nós mesmos. Nós mesmos, nós mesmos e nós mesmos…

Quanto egoísmo, injustiça e diferenças! Por que tanta amargura e isolamento?

Se cada indivíduo é um conjunto de qualidades, porque não nos unirmos às demais qualidades? Seríamos mais fortes e dividiríamos nossos trabalhos. Nossa carga seria mais leve e teríamos mais tempo disponível para auxiliar a quem necessitasse.

É antigo o dizer: ‘A união faz a força!’ Quanto mais unidos, mais força, mais poder e maior a explosão de conhecimentos e bem aventurança. Não precisamos ‘carregar o mundo nas costas’. Precisamos nos juntar para caminharmos sutilmente todos na mesma direção. Precisamos de tempo para abrir nossas mentes, para ver as outras qualidades que temos. Precisamos abrir nossos corações e deixar fluir a energia do amor e da compreensão, para transbordar as dádivas divinas que temos armazenado dentro de nós e praticar tudo o que já aprendemos e guardamos para usar ‘mais tarde’.

Pois o momento é este! Façam tudo aquilo que sempre pensaram em fazer e que foi deixado de lado porque não era o momento, porque não queriam se expor, porque outros já o estavam fazendo ou porque não tinham coragem… Não é vergonhoso admitir estas ou outras razões. Vergonhoso é dar-se conta do fato e não tomar nenhuma atitude.

Qualquer que seja a proposta que aceitemos executar, saibam todos que, ninguém estará sozinho. Do lado de cá tem uma equipe enorme, maravilhosa aguardando o sinal verde para entrar em ação.

Mesmo que tenhamos condições, não podemos ajudá-los se não pedirem, se não concordarem. A decisão de querer é de vocês. Terão todo o apoio que for necessário, mas nada poderemos fazer sem que vocês estejam cientes disso.

Podemos agir com vocês e não por vocês. Estamos juntos para o que der e vier, somente aguardando a sua decisão.”

Joyce em 3 de novembro de 2003

Beijos, e fiquem na Luz!

Tudo o que temos e conquistamos é temporário …

Tudo o que temos e conquistamos é temporário… uma linda mensagem da Joyce, que cabe bem nos tempos atuais:

“Temos que nos libertar da possessão. Nosso objetivo na Terra é de possuir e dominar. Queremos ter cada vez mais bens, dinheiro, etc. Até mesmo as pessoas, queremos tê-las para nós, à nossa disposição.

Tudo o que temos e conquistamos é temporário, é emprestado. Nada disso se leva quando partimos. Se nos foi confiado, foi para termos condições de sobreviver para aprender. Os bens materiais são nossa sobrevivência para que nosso espírito e nosso coração possam se manifestar, através da experiência, do aprendizado e da sabedoria, com o auxílio dos seres que estão ao nosso alcance.

Temos que mudar o enfoque sobre as coisas. Não estamos aí somente para constituirmos uma família, trabalhar e aguardar a velhice. Seria muito pouco!

moon_song

Não teríamos outro objetivo além deste? Gastaríamos uma vida inteira na terra somente para sobreviver até a ‘morte’ chegar? Deus nos ‘colocaria’ no mundo apenas para isso?

Não, meus queridos, Ele quer mais! Temos condições de muito mais. O ser humano tem uma força muito maior, que ainda desconhece. Ele tem dons que nunca usou; tem conhecimentos armazenados que nunca desabrocharam. Por quê? Porque não nos permitimos a isto; porque não nos alertamos de nosso potencial. Os poucos que o descobriram, foi através da dor intensa, do sofrimento, da perda. Quando precisaram suportar o insuportável. Aí foram buscar a força interna para ter o entendimento através do conforto.

Infelizmente o homem só se preocupa com descobertas fabulosas ‘externas’. Faz pesquisas, expedições, descobre curas através de drogas, resolve vários problemas e situações. Mas tudo é buscado fora dele, através da natureza (mesmo que implique na sua destruição), na clonagem, na guerra, nas experiências. É o ego trabalhando ‘em prol’ da humanidade.

Seria realmente para isto que estamos aqui? E aquele que não teve instruções e um trabalho digno? Este veio só para sofrer? E aquele que já veio doente? E aquele que injustamente perdeu tudo? E aquele inocente que foi sacrificado por doença, assassinato ou acidente? E as diferenças sociais? Seria Deus tão justo para alguns e tão injusto para outros?

Não, Ele não é injusto! Nosso enfoque é que está errado!

O desenvolvimento é necessário. Mas acima de tudo está nosso desenvolvimento interior, nossa maneira de agir, de viver, de ser em relação a nós mesmos e ao próximo. Não podemos julgar os outros sem olharmos primeiro para dentro de nós mesmos, sem limpar e ordenar nossa vida interior. Após, com certeza, veremos tudo de outra forma e compreenderemos o outro como ele é. Os valores, as atitudes e os conceitos mudarão. Buscaremos outra realidade, outra forma de amar e crescer. A cura estará dentro de nós. A tecnologia será usada racionalmente para o bem comum, sem rótulos ou propriedades. O aprendizado fluirá, pois o estaremos buscando dentro de nós. A doação será espontânea, a solidariedade uma constância e a união uma realidade.
Para atingir este estágio, todos têm as mesmas condições. Não depende de inteligência ou condições sociais. Basta querer buscar dentro de si o que já está lá. Só isso!

Com a prática desta pureza de pensamento, estaremos revertendo às situações mais complexas de cura, aprendizado e evolução.

Joyce”
(28 de outubro de 2003)

Tudo é como tem que ser….

“Quando eu tinha cinco anos de idade eu falava que tinha escolhido vocês para serem meus pais. Eu olhava de cima por entre as nuvens e via vocês como parte de minha família. Pedi e concederam-me esta oportunidade.

Joyce

Joyce

Tive muita sorte com minha escolha. Aliás, não foi sorte, pois eu sabia que poderia contar e confiar em vocês. Nossa afinidade foi muito grande, maior ainda do que o amor entre pais e filha. É uma sintonia de amor incondicional, que perdura até hoje e assim continuará, pois nós estamos propiciando condições para isto, vivenciando-as continuamente. E agora não tem mais volta. Continuaremos a usufruir deste amor por
toda a eternidade. Superamos todas as dificuldades que poderiam vacilar nossos sentimentos. Não foi fácil, nós sabemos disto, mas conseguimos compreender, aceitar e resignar. Conseguimos entender que não adianta lutar contra o inevitável; quanto mais nos debatemos nas dúvidas, mais nos afundamos na ignorância; quanto mais negamos nossa existência, mais e mais nos anulamos e regredimos.

Tudo é como tem que ser. Não devemos nos fixar em fórmulas querendo mudar situações, impondo nossas idéias. Devemos sim, vivenciar cada momento e aprender com cada situação. Tudo tem um por que e as respostas estão dentro de nós.

Quando entendemos isto, tudo fica claro e cristalino como a água. Os caminhos podem ser muito diferentes dos que escolhemos, mas quando a meta é atingida a chegada é gloriosa. A sensação é de “estado de graça”. Se pudermos sentir isso, estamos no caminho certo.

O Pai não quer nosso sofrimento. Ele só quer que apreendamos a crescer, a evoluir. Ele só quer nos mostrar o verdadeiro sentido da vida, da nossa caminhada, da nossa evolução. E nós como filhos, precisamos de alguns “puxões de orelha” de vez em quando. Precisamos ser despertados, questionados e empurrados para “ver” o que não enxergamos.

Se dependesse de nós, só viveríamos o dia a dia até o fim de nossos dias. Mas viver é muito mais. Viver é compartilhar, ajudar, doar, ensinar e sustentar; é lutar pelo nosso bem, da nossa família, da nossa comunidade, do nosso planeta, é preservar as belezas internas e externas, é dividir, é amar e ser amado.

Tudo isto eu obtive com vocês, minha família adorada, e gostaria de compartilhar com todos que lerem estas palavras, que façam o mesmo com os seus.

Amem, dividam e zelem por si, por nós e pelo planeta.

Joyce”
(28 de dezembro de 2003)

O divertimento e o lazer fazem parte de suas vidas…

Em novembro de 2003 Joyce mandou esta mensagem. Agora, em vésperas da chegada dos netinhos para uns dias de férias, lembrei-me dela, já que pretendo fazer um pequeno intervalo.

“O divertimento e o lazer fazem parte de suas vidas.

Aproveitem os momentos de alegria e felicidade. Isto renova suas forças e suas energias, transformando-as em vitalidade.

Não é só de trabalho que o homem vive. Ele precisa também de descontração, férias e lazer, pois sua carga é muita pesada.

Trabalhar e praticar o bem, na realidade que vocês convivem, não é fácil. A densidade é muito grande e apenas sobreviver nela já é uma vitória. Qualquer melhora que fizerem a mais, são pontos muito valiosos para seu crescimento.

E quando insistimos para que aprendam e cresçam mais e mais, é justamente para darem o “salto” para sair desta densidade de vez. Sabemos o quanto sofrem por isso, mas todo o esforço vale a pena. O resultado é magnífico.

Portanto, sugerimos que tenham momentos de lazer e descontração, pois vocês merecem. É um abastecimento para que seus corpos resistam e prossigam na caminhada, não caindo no cansaço e desânimo.

Busquem o que é seu.

Vivam felizes e com alegria.

Vocês merecem!

Joyce”
(19 de novembro de 2003)

Aproveitem também!

Beijos e fiquem na Luz!

Assim é a caminhada. Assim é a evolução.

Em meio à ‘maratona de cursos’ a que me referi alguns dias atrás, lembrei-me desta mensagem sobre nosso aprendizado a caminho da nossa evolução:

“Os centros de ensinamentos são muitos. Podemos nos fixar num só, se assim for suficiente para nós, ou podemos percorrer todos os tipos existentes. É comum nos distanciarmos por algum tempo de um ou de outro, pois necessitamos interiorizar o aprendizado, que é igual para todos, mas sentido diferentemente por cada um de nós.

Mesmo tendo a mesma escola, a vivência é pessoal, a experiência é única. Cada um levará um tempo para digerir as novas idéias, para compreender e colocar em prática o que é melhor para si.

O tempo de peregrinação neste caminho é relativo, mas o importante é que cada um faça o seu. Esta jornada é pessoal. Não existem receitas ou manuais para comprar. Cada qual formará e vivenciará a sua história. É importante neste momento buscarmos apoio de pessoas, que nem sempre são os amigos ou familiares. Muitas vezes são pessoas fora de nosso convívio, que vamos conhecendo ao longo da jornada e que tem maior afinidade conosco por estarem também no mesmo caminho. Andamos alguns passos com uns, alguns com outros e chega o momento de estarmos realmente sozinhos, mas auto-suficientes naquilo que buscamos.

Quando nos isolamos das pessoas, é quando estamos nos encontrando conosco mesmo. Precisamos de algum tempo para trabalhar nosso íntimo, pois só assim estaremos realmente aprendendo. Tudo tem que vir de dentro para fora. Só então teremos estrutura para poder externar nossos sentimentos controlando nossas emoções. Aí então, estaremos equilibrados e centrados para poder ajudar também ao próximo.

Não podemos ajudar ninguém se não nos ajudarmos primeiro. Mesmo que pensemos que somos conhecedores de tudo, vale à pena revisar nosso interior, pois os conceitos vão mudando à medida que avançamos. O que era importante ontem, já não é mais hoje. O que era primordial em nossas vidas, talvez já não tenha mais significado. Naquele momento, naquele estágio de evolução era imprescindível, mas hoje não é mais. Isto não significa simplesmente mudança de opinião, mas sim crescimento, evolução, aprendizado, mudança de atitudes e de conceitos.

Nossos padrões podem e devem ser modificados, sempre para o melhor. Por isso devemos estar atentos, observando, ouvindo e filtrando. O filtro é muito importante, pois muitos conceitos são jogados no ar. Muitas dúvidas são lançadas e nós temos que separar o “joio de trigo” e a melhor forma é escutando nosso coração. Esqueçam todas as opiniões e aprofundem-se no seu interior e escutem o que seu coração está dizendo. Aquela resposta, naquele momento é a melhor e a correta. Após cada estágio, esta resposta poderá ser modificada. Isto é normal, pois não existe um “atalho” para ir direto à resposta final, sem passar antes por estágios. À medida que processamos o entendimento vamos aos poucos tomando consciência. Se pulássemos para o final, ficaria sempre a dúvida: – Mas será que é isto mesmo? – Quem disse? – Como provar que realmente é assim ou assado? – Não teria outra opção? Todas estas dúvidas naturais são trabalhadas e eliminadas no decorrer de nossa jornada, para que possamos compreender e aceitar sem deixar dúvidas no nosso coração.

Assim é a caminhada.
Assim é a evolução.

Joyce”

Beijos, bom fim de semana e fiquem na Luz!