A Morte Não Existe

Mensagens, depoimentos e informações sobre a história da Joyce

Arquivo para A Exeperiência Morontial

A RECENTE EVOLUÇÃO DO CÉREBRO HUMANO

A RECENTE EVOLUÇÃO DO CÉREBRO HUMANO

Publicado em 28/02/2018 por Rodrigo Romo

Cerebro

Compartilhamos com vocês um trecho do livro A EXPERIÊNCIA MORONTIAL – A EVOLUÇÃO MULTIDIMENSIONAL FÍSICA de Rodrigo Romo, onde é relatada a história do desenvolvimento do planeta Terra e das diversas civilizações que aqui habitaram e colocaram à prova seus projetos evolutivos. Uma parte importante do livro está relacionada aos Nibiruanos, os chamados Annunakis, que desenvolveram importantes experimentos utilizando material genético extraterrestre com as raças residentes há muito mais tempo no planeta, chamadas de Lulus pelos Nibiruanos.

E para seu estudo e reflexão, fazemos um paralelo com o artigo científico publicado pelo Instituto Max Planck, que reporta uma evolução inexplicável e repentina no formato do cérebro humano e na sua capacidade cognitiva, que não corresponde a uma evolução natural, corroborando com as canalizações sobre as manipulações e experimentos genéticos e raciais feitos pelos diversos grupos extraterrestres com os seres humanos nos últimos 100 mil anos, aproximadamente.

Trecho do livro A Experiência Morontial:

A Experiencia Morontial

Livro A Experiência Morontial – disponível para venda na Loja Virtual no site rodrigoromo.com.br

“Foram realizados ajustes bioquímicos entre o corpo físico dos Neandertais e dos outros hominídeos, para que fosse possível acoplar a alma dos exilados de Sirius, Órion e depois dos outros que chegaram para atuar no processo encarnacional dos Lulus, quando o genoma humano do Homo Sapiens já estava mais estável e só precisaria de ajustes externos, que eram realizados pelo processo da compatibilidade genética pelo sexo e cruzamento das espécies. Nesta fase, os draconianos presentes na Terra também realizaram muitas pesquisas e projetos genéticos através do cruzamento sexual de seus Dracos humanoides com as humanas da Terra, em situações que mesmo Enki não tinha acesso e conhecimento, em localidades onde os Nibiruanos não tinham acesso.

As diferentes etnias humanas geradas ao longo dos últimos 120.000 anos são o resultado de cruzamentos entre diferentes raças das 22 delegações e raças dos Nibiruanos que tinham origens diferentes desde o setor de Plêiades, além da própria miscigenação racial entre elas. Posteriormente, outros povos estelares chegaram e trouxeram material genético, que foi mesclado gerando mais etnias e derivações raciais que se estabelecem até os dias atuais.”

ADQUIRA SEU EXEMPLAR NA LOJA VIRTUAL

A organização moderna do cérebro humano surgiu apenas recentemente

Os fósseis de Homo Sapiens demonstram uma evolução gradual do cérebro humano em direção à sua forma globular moderna.

Evolução do Cerebro

Pesquisadores do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva em Leipzig, na Alemanha, revelam como e quando a forma típica do cérebro globular dos humanos modernos evoluiu. Suas análises baseadas em mudanças no tamanho e forma endocraneais nos fósseis de Homo Sapiens mostram que a organização do cérebro e, possivelmente, a função cerebral, evoluíram gradualmente dentro de nossa espécie e inesperadamente atingiram condições modernas apenas recentemente.

Evolução da forma do cérebro no Homo Sapiens: forma cerebral de um dos primeiros membros conhecidos de nossa espécie, o crânio Jebel Irhoud 1 de 300.000 anos (à esquerda). Forma cerebral, e possivelmente função cerebral, evoluiu gradualmente. A morfologia cerebral atingiu a globularidade típica dos seres humanos atuais, surpreendentemente recentemente (à direita). © MPI EVA / S. Neubauer, Ph. Gunz (Licença: CC-BY-SA 4.0) © MPI EVA / S. Neubauer, Ph. Gunz (Licença: CC-BY-SA 4.0)

A história evolutiva de nossa própria espécie remonta aos fósseis de Jebel Irhoud (Marrocos) datado de cerca de 300 mil anos atrás. A análise desses fósseis feita no ano passado por pesquisadores do Departamento de Evolução Humana no Instituto Max Planck para Antropologia Evolutiva em Leipzig foi destacada como uma das principais histórias científicas de 2017 por uma ampla gama de mídia impressa e on-line. Juntamente com o crânio de Florisbad (África do Sul, 260 mil anos) e Omo Kibish (Etiópia) datado de 195 mil anos atrás. Os fósseis de Jebel Irhoud documentam uma fase evolutiva precoce do Homo sapiens no continente africano. O rosto e os dentes parecem modernos, no entanto, sua caixa craneana alongada aparece mais arcaica como em espécies humanas mais antigas e em Neandertais. Em contraste, é uma caixa craneana globular, que caracteriza o crânio dos humanos modernos atuais, juntamente com rostos pequenos e mais graciosos.

Em um novo artigo publicado na Science Advances, membros da mesma equipe de pesquisa agora revelam descobertas adicionais surpreendentes sobre a evolução do cérebro dos Homo Sapiens. Os paleoantropólogos Simon Neubauer, Jean-Jacques Hublin e Philipp Gunz usaram tomografias micro computadorizadas para criar impressões virtuais das cicatrizes ósseas internas, chamadas de endocastos que se aproximam do tamanho e da forma do cérebro. Eles usaram estatísticas ultramodernas para analisar endocastos de vários fósseis e seres humanos atuais.

Evolução do lobo parietal e do cerebelo

Neubauer e colegas documentam uma mudança gradual dentro do Homo Sapiens, de uma forma endocraneal alongada para uma forma mais globular. Destacam-se duas características deste processo: protuberância parietal e cerebelar. As áreas do cérebro parietal estão relacionadas à orientação, atenção, percepção de estímulos, transformações sensório-motoras subjacentes ao planejamento, visão espacial integrada, imaginação, autoconsciência, memória funcional e de longo prazo, processamento numérico e uso de ferramentas. O cerebelo não está associado apenas a funções relacionadas a funções motoras como a coordenação de movimentos e equilíbrio, mas também com processamento espacial, memória funcional, linguagem, cognição social e processamento afetivo.

Os fósseis de Homo Sapiens apresentaram formas endocraniais cada vez mais modernas de acordo com sua idade geológica. Somente os fósseis com menos de 35.000 anos apresentam a mesma forma globular que os humanos atuais, sugerindo que a organização moderna do cérebro evoluiu algum tempo entre 100.000 e 35.000 anos atrás. Importante, essas mudanças no formato evoluíram independentemente do tamanho do cérebro – com volumes endocraneais de cerca de 1.400 mililitros, até o mais antigo Homo Sapiens. Os fósseis de Jebel Irhoud se encaixam dentro da variação atual do tamanho do cérebro.

“O cérebro é indiscutivelmente o órgão mais importante para as habilidades que nos tornam humanos”, diz Neubauer. Mas a forma moderna do cérebro humano não foi estabelecida na origem de nossa espécie, juntamente com outras características-chave da morfologia craniodental. Neubauer acrescenta: “Nós já sabíamos que a forma do cérebro deve ter evoluído dentro de nossa própria espécie, mas ficamos surpresos ao descobrir quão recentes foram essas mudanças na organização do cérebro”.

Mudanças evolutivas no desenvolvimento inicial do cérebro

Nos seres humanos atuais, a forma globular característica da caixa craneana se desenvolve em alguns meses pouco antes do nascimento. Philipp Gunz explica: “A evolução da forma endocraneal do Homo sapiens sugere mudanças evolutivas do desenvolvimento inicial do cérebro – um período crítico para a rede neural e desenvolvimento cognitivo”. Os pesquisadores argumentam, portanto, que mudanças evolutivas no desenvolvimento inicial do cérebro foram fundamentais para a evolução da cognição humana. Jean-Jacques Hublin, coautor e diretor do Departamento de Evolução Humana no Instituto Max Planck em Leipzig, diz: “A evolução gradual da forma moderna do cérebro humano parece caminhar paralelamente ao surgimento gradual da modernidade comportamental, como se vê a partir do registro arqueológico”.

As novas descobertas estão de acordo com estudos genéticos recentes que mostram mudanças em genes relacionados ao desenvolvimento do cérebro em nossa linhagem desde que a população se separou entre Homo Sapiens e Neandertais. Eles aumentam a quantidade de evidências arqueológicas e paleoantropológicas que demonstram que o Homo Sapiens é uma espécie em desenvolvimento com profundas raízes africanas e mudanças graduais duradouras na modernidade comportamental, organização do cérebro e potencial função cerebral.

⇒ FONTE ORIGINAL EM INGLÊS: https://www.mpg.de/11883269/homo-sapiens-brain-evolution

brain-evolution

Anúncios