A Morte Não Existe

Mensagens, depoimentos e informações sobre a história da Joyce

Arquivo para NASA

NASA realiza testes secretos de propulsores sem combustível que desafiam as leis da física

Taí! As viagens interplanetárias estão próximas!

NASA realiza testes secretos de propulsores sem combustível que desafiam as leis da física

O motor “impossível”, que não utiliza combustível, e poderia levar seres humanos a Marte em apenas 10 semanas, ainda está desafiando a ciência.

Motor Impossível 1

Motor Impossível 1

Quando o conceito foi proposto pela primeira vez, foi considerado implausível, porque não condiz com as leis da física. Mas os testes subsequentes do chamado EM Drive, mostraram que a ideia poderia revolucionar as viagens espaciais. Agora, a NASA forneceu a primeira atualização pública sobre o teste, após meses, e parece sugerir que ele realmente faz o trabalho proposto. Os cientistas, no entanto, ainda não sabem o motivo.

A atualização foi dada por Paul March, um dos principais engenheiros que trabalha com o propulsor EM Drive, no Laboratório Eagleworks, no Centro Espacial Johnson, no Texas, EUA. Ele disse que a NASA conseguiu remover alguns dos erros de testes anteriores, mas ainda encontrou sinais inexplicáveis de impulso. O anúncio de March é o primeiro feito em meses, pois a agência espacial estava mantendo grande silêncio sobre quaisquer desenvolvimentos sobre o polêmico projeto.

Motor Impossivel 2

Motor Impossivel 2

March postou seus dados no fórum da NASA, em resposta a um artigo (não disponibilizado) que afirma que o impulso impossível é gerado por algo conhecido como a força de Lorentz, ou seja, a força que é exercida por um campo magnético sobre uma carga elétrica em movimento. Porém, March diz que seus testes provam que isso não é verdade, explicando que o amortecedor magnético reduziu os campos magnéticos na câmara de vácuo utilizada de uma maneira que nenhuma interação do tipo poderia produzir. “Ainda por cima, os sinais de impulso anômalos permaneceram”, completou ele. March também diz que, nos últimos desenvolvimentos, a expansão térmica do propulsor foi levada em conta para reduzir todas as fontes possíveis de erro.

Porém, o impulso ainda pode ser visto, e os engenheiros não sabem explicar o que está causando isso. Se for bem-sucedido, o sistema de propulsão EM Drive permitiria viagens espaciais a velocidades até agora jamais vistas. O fato de ser um fenômeno recorrente, faz EM Drive parecer um conceito mais concreto para a viagem espacial no futuro. Os pesquisadores dizem que a nova unidade poderia transportar passageiros e seus equipamentos para a Lua em menos de quatro horas.

O sistema baseia-se na unidade eletromagnética (EM Drive), que converte energia elétrica em energia de impulso sem a necessidade de combustível de foguete. Embora houvesse ceticismo em torno do EM Drive, em abril, a NASA divulgou os resultados de seu próprio teste que mostrou que ele, de fato, criou impulso, desafiando a lei clássica da física.

Motor Impossivel 3

Motor Impossivel 3

De acordo com Martin Tajmar, físico e professor do Sistema Espacial da Universidade de Tecnologia de Dresden, na Alemanha, é preciso que testes adicionais sejam realizados “para estudar a interação magnética das linhas de alimentação de energia utilizadas para os contatos de metal líquido”.

De acordo com a física clássica, o EM Drive seria impossível, pois viola a lei da conservação do momento. A lei diz que a dinâmica de um sistema é constante, caso não existam forças externas agindo sobre o sistema. Por isso o propulsor é necessário em foguetes tradicionais. Pesquisadores dos EUA, Reino Unido e China realizaram testes com EM Drives ao longo das últimas décadas, mas seus resultados são controversos, já que ninguém foi exatamente capaz de desvendar seu funcionamento.

No início de 2015, a NASA construiu um EM Drive que funciona em condições parecidas com as do espaço, de acordo com os usuários do fórum “NasaSpaceFlight.com”. O conceito de um motor EM Drive é relativamente simples. Ele fornece impulso para uma nave espacial emitindo micro-ondas. A energia solar fornece a eletricidade para alimentar as micro-ondas, sem necessidade de um propulsor.

As implicações disso poderiam ser enormes. Por exemplo, os satélites atuais poderiam ter metade do tamanho, sem a necessidade de transportar combustível. Os seres humanos também poderiam viajar com mais facilidade para o espaço, gerando sua própria propulsão. Porém, ainda precisamos aguardar para que este mistério seja entendido e resolvido.

Daily Mail ] [ Foto: Reprodução / Daily Mail ]

Anúncios

NOVO COMUNICADO SOBRE A MEDITAÇÂO DAS QUINTAS-FEIRAS por Rodrigo Romo

NOVO COMUNICADO SOBRE A MEDITAÇÂO DAS QUINTAS_FEIRAS

MEDITAÇÃO DAS QUINTAS-FEIRAS

Medita

 

Canalização de ASHIRION de Sirius Alpha, por Rodrigo Romo.

Olá meus amados filhos e irmãos da Terra, venho mais uma vez notificar a todos os seguidores desta ferramenta, que chegou o momento de um esforço maior por parte de vocês que se encontram encarnados na materialidade física e astral do vosso planeta Terra, para desenvolverem um poderoso campo de transmutação em vosso planeta e nas vossas residências.

Como sabem, as forças opostas ao despertar da energia cristica estão investindo cada vez mais energia e agentes para animalizar a humanidade e para desvirtuar os conceitos corretos do reto viver, reto agir, reto pensar, chegando ao ponto de promoverem no campo psíquico e astral de milhões de pessoas implantes neurais que geram o completo desequilíbrio do bom senso e do senso do auto ridículo, afetando publicamente pessoas não apenas do cenário político, como do segmento empresarial e tecnológico, para impedir que a humanidade atinja sua luz nos momentos específicos.

Um desses momentos vem sendo divulgado como a ONDA X (leia mais aqui), que representa um momento significativo da projeção de energia do vosso Sol para ativar os centros intraterrenos e os Templos dos Mestres, para atuarem pelo efeito de ressonância no Salto Quântico Consciencial. Estas alterações e implantes têm o objetivo de bloquear as Ondas X do Sol e do novo campo eletromagnético que está se formando além da Barreira de Frequência da Terra, para gerar um efeito de imbecilidade na humanidade nos próximos anos, criando mais perturbação e conflitos sociais. O problema é que a humanidade e as pessoas afetadas não percebem a sua real situação e passam a agir de forma inconsequente.

Para contrabalancear essa situação, o Arcanjo Aryel e sua equipe vão se juntar todas as quintas-feiras, já a partir deste dia 13/08/2015 para criar em conjunto com os participantes desta rede de meditação e os templos etéricos e as naves envolvidas, um novo campo de ruptura das radiações nocivas e negativas que estão desequilibrando as futuras etapas do Salto Quântico emocional e psíquico da humanidade.

Será montada uma muralha ovoide ao redor do vosso planeta, com emissão de ondas e frequências de purificação e ativação do espectro da Chama Trina, para estabelecer uma ligação entre 8HZ e 13HZ para remover os implantes neurais e desativar as frequências dos grupos rebeldes da Ordem do Dragão Negro. Ativando nas pessoas participantes das meditações e de suas projeções nos outros dias da semana, para que sejam enviados para as bases operacionais que vão iniciar o processo da desativação das informações e dogmas, que contribuem para o processo encarnacional escravagista que existe em vosso planeta, neutralizando gradualmente as informações inseridas em vosso DNA pelos Draconianos e pelos Anunakis rebeldes que estão inseridos nesse hediondo jogo de poder vampirizando a humanidade.

Esta ferramenta que foi autorizada a ser inserida no atual contexto planetário, vai ajudar na ampliação da proposta da Corrente de Paz Mundial que já comentamos há alguns meses, para dessa forma quebrar parte da programação nefasta que está ocorrendo no palco político governamental. Esta nova frequência que será ativada em vossos corações durante as meditações das quintas-feiras vai ajudar no alinhamento de vossos fractais de alma perdidos no palco das realidades paralelas da Terra e nos outros desdobramentos relacionados com as diferentes Federações e com a própria Aliança Galáctica que inicia a sua fase decisiva de contato com seus membros perdidos no fluxo temporal da Terra, que chegaram na Terra a trabalho e acabaram ficando aprisionados nos jogos de poder. O Chamado de volta ao espaço é oficial e cada um deverá iniciar seus preparativos internos de desapego do cotidiano terrestre, para poderem romper o ciclo encarnacional compulsório que foi inserido pelos dogmas religiosos.

O processo da ascensão está disponível para todos aqueles que despertem a sua consciência e desejem sair do ciclo terrestre, libertando-se dos dogmas e das religiões que vos aprisionam nos hologramas do carma e do sofrimento. O palco político da Terra hoje vive hologramas gerados para escravizar ainda mais a humanidade como na era feudal, extorquindo dinheiro e recursos ao máximo, criando uma linha de escravidão e de sofrimento social, muito bem elaborada pelos Draconianos, de forma a se manter pelos próprios mecanismos que vocês acreditam e acham justificáveis dentro dos hologramas que vocês aceitam como equilibrados e corretos. Essa mudança consciencial vai ocorrer gradualmente e para muitos já ocorreu e está criando severas dificuldades de sobrevivência e coexistência com os outros meios.

Quando forem realizar a vossa meditação de quinta-feira, solicitem a conexão direta com o Arcanjo Aryel para iniciar a nova fase de sustentação das Colunas Mahatma, trazendo dessa forma um novo patamar de energia, quando depois farão a conexão com os outros mestres e comandantes, que já foram citados no último comunicado sobre essas meditações de quinta-feira.

Uma rede gerada pelo cardíaco de Aryel e pelas mais de 700.000 naves e Merkabas vai se instalar através da vossa Coluna Mahatma, estabelecendo um novo patamar de energia que acabará por penetrar através de vocês nos centro intraterrenos, passando pelo cardíaco de cada participante das meditações, criando dessa forma uma ponte interdimensional com os vossos outros fractais de alma.

Dentro desta nova fase dos trabalhos, a maior parte dos comandantes da Aliança Galáctica e outros que são da Confederação, vão se juntar a vocês, para darem continuidade aos processo das quebras de contratos encarnacionais e dos mecanismos de aprisionamento social que ainda existem, atuando sobre milhões de pessoas, que já deveriam estar ascensas há muito tempo da vossa contagem de tempo.

Participam desse processo o campo energético de ativação e alinhamento entre os corpos terrestres sutis e o corpo criogênico, para estabelecer a linha de reativação da memória estelar e ao mesmo tempo da quebra dos contratos encarnacionais holográficos, gerando uma linha no despertar de cada alma encarnada. As radiações externas provenientes do centro gerador de vossa Via Láctea é um mecanismo para esse despertar que é necessário para que se possa sustentar as mudanças que têm que ocorrer em vosso planeta e na consciência humana, gerando movimentos internos, para que os externos possam se concretizar pelo efeito de ressonância.

Cada um de vocês que está lendo esta notificação acabará por expandir e multiplicar a mesma no plano astral e posteriormente no plano físico a medida que perceba o chamado interno e as mudanças que estão se manifestando. Quanto maior o número de pessoas dentro dos trabalhos de ajuda e pacificação planetária, menores serão as dores das futuras mudanças que vão ocorrer irreversivelmente nos próximos anos, desde a aproximação de novos astros considerados ilusórios, até as mudanças climáticas e geológicas, que fazem parte dos ajustes do planeta para suportar as novas fases das mudanças vibracionais do vosso Sistema Solar, que também será afetado pelo campo gravitacional dos astros externos que a NASA não divulga. Cada um de vocês será uma antena de recepção e de multiplicação das ondas de purificação e despertar da humanidade, o que inclui as Ondas X e outras radiações que começam a ser ativas de forma intensa já a partir do próximo mês de Setembro de 2015, ativando centros neurológicos de todas as formas de vida do vosso planeta, não apenas no plano físico, mas nas outras dimensões e realidade paralelas.

Não estamos nos referindo ao apocalipse, mas a mudanças necessárias para quebrar parâmetros e protocolos da Ordem do Dragão Negro dentro da estrutura social humana e dos mecanismos de controle sobre a humanidade, para gradualmente sem mudanças bruscas, começar o verdadeiro despertar interno, que tem se prolongado, pelo simples fato que a humanidade busca fora, nos outros, o que possui dentro de si mesma, perdendo tempo nos hologramas do Sinistro Governo Secreto.

Portanto, meus filhos e amigos, estaremos juntos a partir deste dia 13/08/2015 entre o fluxo de 20hs até 23hs atuando em conjunto pela multiplicação de ondas de energia de pacificação e transmutação planetária, para ajudar numa nova rede mais potencializada a superarem as novas fases de energia e questões sociais que devem iniciar seus mecanismos já em setembro, para desestabilizar a humanidade, mas que são necessárias para a quebra de vários paradigmas de aprisionamento.

Fico na paz do vosso coração na labuta pela harmonização do planeta.
Eu sou ASHIRION do Conselho de Sirius Alpha.

Rodrigo Romo, 10/08/2015 São Paulo, SP – BR.

Esta mensagem pode ser compartilhada desde que não seja alterado seu conteúdo e se mencione a fonte: http://www.rodrigoromo.com.br

A Terra, uma anomalia do universo. Rodrigo Romo

Mais uma matéria postada pelo Rodrigo, também de assunto recorrente nos cursos. Formados em CQE podem aproveitar: 

A Terra, uma anomalia do universo.

É realmente interessante verificar, como os seres humanos, pelo menos parte da sociedade humana, está aprendendo a pensar e analisar friamente e logicamente as coisas. O planeta Terra está fora dos parâmetros até o presente momento, segundo todas as evidências cientificas reveladas. Observem e estudem esta matéria.

Estrelas em formação. Nebulosa da Chama

Estrelas em formação. Nebulosa da Chama

Observatório do Sul da Europa/AFP

Os astrônomos os chamam de super-Terras e eles são abundantes fora do nosso sistema solar, mas quanto mais os cientistas aprendem sobre eles, mais nosso planeta parece um ‘estranho no ninho’ quando comparado.

Acredita-se que planetas do tamanho da Terra ou até quatro vezes maiores representem três quartos dos planetas candidatos a ter condições favoráveis à vida descobertos pelo telescópio espacial Kepler, da NASA. Até agora, os astrônomos catalogaram cerca de 3.000 destes planetas na esperança de que possam indicar a existência de vida fora da nossa galáxia. Mas especialistas reunidos em um encontro da Sociedade Astronômica Americana nos arredores de Washington nesta segunda-feira afirmaram que embora as super-Terras ou os mini-Netunos sejam comuns, eles têm pouca semelhança com o planeta ao qual chamamos de casa.

“Nosso sistema solar parece ser diferente. Todos estes planetas que a Kepler descobriu são estranhos”, disse Yoram Lithwick, da Universidade Northwestern. “De vinte a trinta por cento de todas as estrelas têm estes planetas malucos”, acrescentou. Super-Terras e mini-Netunos que têm mais de duas vezes e meia o raio da Terra “devem ser cobertos com montes e montes de gás, o qual é o resultado mais surpreendente”, afirmou Lithwick.

Ele estudou cerca de 60 destes planetas e descobriu que provavelmente eles se formaram “muito rapidamente depois do nascimento de sua estrela, enquanto ainda havia um disco gasoso ao redor da estrela”. “Em comparação, acredita-se que a Terra tenha sido formada muito depois de que o disco de gás desapareceu”, acrescentou. Não apenas muitos destes planetas são mais quentes do que a Terra, com há uma quantidade de gás enorme cobrindo seu núcleo rochoso resultando em pressão atmosférica extrema. “Aqui na Terra seria como estar sob 10 oceanos”, afirmou Geoff Marcy, da Universidade da Califórnia em Berkeley. Consultado se seria possível encontrar vida nestas condições, Marcy disse aos jornalistas ter feito a mesma pergunta a alguns de seus amigos especialistas em biologia. Resumidamente, eles não têm certeza, afirmou. “Não é impossível”, estimou. “Nós sabemos muito pouco sobre como a vida começou e em quais ambientes pode florescer”.

O telescópio Kepler foi lançado em 2009 em uma missão de busca de planetas similares à Terra ao observar seu trânsito ou ofuscamento diante da luz, à medida que passam em frente a suas estrelas. Ele não está mais completamente operacional, tendo perdido a tração em duas de suas quatro rodas de orientação no ano passado, mas astrônomos esperam que consiga continuar enviando observações limitadas de mundos distantes.

Fonte:http://noticias.br.msn.com/astr%C3%B4nomos-dizem-que-planeta-terra-%C3%A9-uma-excentricidade.

Autor: Rodrigo Romo – 10/03/2014

Fiquem na Luz!

4 Novos Planetas habitáveis por Rodrigo Romo

O Rodrigo Romo postou a matéria a seguir no seu site. Como é um tópico recorrente nos cursos, pensei ser interessante para todos aqueles que fizera algum curso com ele:

4 Novos Planetas habitáveis

 

O Universo

O Universo

Um grupo internacional de pesquisadores, fuçando dados de arquivo de busca por planetas fora do Sistema Solar ao redor das menores e mais comuns estrelas do Universo, encontrou oito novos candidatos, dos quais possivelmente quatro são mundos habitáveis.

Todos entram na categoria das “superterras” — planetas maiores que o nosso, mas mais modestos que Netuno, o menor dos gigantes gasosos em nosso Sistema Solar.

O mais próximo está a apenas 17 anos-luz de distância, uma ninharia em termos cósmicos. (Um ano-luz é a distância que a luz atravessa em um ano, cerca de 9,5 trilhões de quilômetros.) Ele orbita a estrela Gliese 682 e tem uma massa mínima 4,4 vezes a terrestre — o que faria dele um planeta com 1,5 vez o diâmetro do nosso planeta, se tivesse a mesma composição. Ele completa uma volta em torno de seu sol a cada 17 dias terrestres.

O sistema mais interessante dentre os recém-descobertos, contudo, pertence à estrela Gliese 180, a 38 anos-luz de distância. Lá, dois planetas diferentes se encontram na chamada “zona habitável” — a região do sistema planetário em que um planeta do tipo terrestre seria capaz de preservar água em estado líquido na superfície. Trata-se da condição mais essencial para a vida como a conhecemos.

O mais interno deles dá uma volta em torno de seu sol a cada 17 dias, e o mais afastado completa um ano em 24 dias. Finalmente, o quarto mundo habitável descoberto pela equipe liderada por Mikko Tuomi, da Universidade de Hertfordshire, no Reino Unido, gira em torno de Gliese 422 e completa uma translação em 26 dias. Não é o caso de estranhar que todos esses mundos, apesar de receber radiação mais ou menos equivalente à que a Terra ganha do Sol, completem seus giros anuais tão mais depressa que nosso mundo, que executa uma volta a cada 365 dias.

O Sol é uma estrela amarela, bem maior que as anãs vermelhas a que o estudo diz respeito. Quanto menor a estrela, mais perto dela fica a zona habitável. O estudo, feito com dados colhidos pelos instrumentos HARPS e UVES, ambos do ESO (Observatório Europeu do Sul), no Chile, foi publicado no periódico “Monthly Notices of the Royal Astronomical Society”.

Para descobrir os oito novos planetas e confirmar a existência de outros dois já apontados por outro grupo, a equipe analisou dados de 41 estrelas anãs vermelhas. Uma análise estatística sugere que planetas de baixa massa — muitos deles possivelmente réplicas da Terra — são extremamente comuns ao redor desses astros. Os resultados sugerem que cada uma dessas estrelas deve ter pelo menos um planeta de baixa massa, e possivelmente muitos mais. A notícia é sobretudo animadora porque as anãs vermelhas representam 76% de todas as estrelas da Via Láctea.

Deve haver Terra para tudo quanto é lado na nossa vizinhança. E as atmosferas desses mundos poderão em breve ser estudadas pelo Telescópio Espacial James Webb, que a Nasa quer lançar em 2018 para suceder o Hubble. Talvez daí venham os primeiros sinais de vida extraterrestre.

A busca está esquentando.

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook

Autor: Rodrigo Romo – 06/03/2014

Fiquem na Luz!

NASA Poderá Construir o Primeiro Motor de Dobra Espacial

Todos que fazem os cursos do Rodrigo ‘Yaslon Yas’ Romo sempre ficam fascinados com as descrições e explanações sobre o Universo. Acabamos de receber esta matéria, onde se percebe que o que era até pouco tempo ficção agora passa a ser plausível. Leiam, e vamos imaginar que estaremos por aqui para o vôo inaugural, nem que seja para assistir pela TV!

Vulcan command ship - CBS

Vulcan command ship – CBS


NASA Poderá Construir o Primeiro Motor de Dobra Espacial

Recentemente, o físico Harold White e sua equipe na NASA anunciaram que estavam trabalhando no desenvolvimento de um motor de dobra capaz de viajar mais rápido do que a luz.

A imagem acima de uma nave de comando Vulcano tem um motor de dobra similar ao motor Alcubierre. Imagem cedida pela CBS.

O projeto é inspirado em uma equação formulada pelo físico Miguel Alcubierre em 1994, e pode, eventualmente, resultar em um motor que poderia transportar uma nave espacial para a estrela mais próxima de nós em questão de semanas – sem violar a lei da relatividade de Einstein.

Motor de Dobra Espacial

Motor de Dobra Espacial

O trabalho de Alcubierre, “The Warp Drive: Hyper-Fast Travel Within General Relativity” (em português, algo como Dobra espacial: viagem hiper-rápida dentro da relatividade geral), sugere um mecanismo pelo qual o espaço-tempo pode ser “deformado”, tanto na frente quanto atrás de uma nave espacial.

– No universo ficcional de Star Trek, a dobra espacial (ou “warp drive”, em inglês) é uma forma de propulsão mais rápida que a luz, geralmente representada como sendo capaz de impulsionar uma espaçonave ou outros objetos a muitos múltiplos da velocidade da luz, ao mesmo tempo em que evita os problemas associados à dilatação do tempo. –

Esse mecanismo tira proveito de um “truque cosmológico” que permite a expansão e contração do espaço-tempo, e poderia permitir viagens hiper-rápidas entre destinos interestelares.

Essencialmente, o espaço vazio atrás de uma nave seria feito para poder expandir-se rapidamente, empurrando a nave para frente. Eventuais passageiros perceberiam isso como movimento, apesar da completa falta de aceleração.

White especula que isso poderia resultar em “velocidades” que poderiam levar uma nave espacial para Alfa Centauri (o sistema estelar mais próximo de nós) em apenas duas semanas, mesmo que o sistema esteja a 4,3 anos-luz de distância. A título de comparação, com a nave espacial mais rápida do mundo existente atualmente, a sonda Hélios-2, o trajeto a Alfa Centauri levaria 19.000 anos.

Dobra mostrando o espaço vazio atras

Dobra mostrando o espaço vazio atras

Mas como?
Com nossas tecnologias de propulsão atuais, o vôo interestelar é impossível. Algumas tecnologias experimentais, como propulsores de íons ou naves explodindo bombas atômicas na cauda, oferecem esperança, mas simplesmente não são práticas.

Isso porque elas exigem quantidades enormes de combustível e de massa para chegar a qualquer estrela próxima, depois de décadas ou até mesmo séculos de viagem.

O que a nova proposta tem de diferente, ou seja, de melhor que as outras?

Ela oferece um meio de chegar a um destino distante de forma bastante rápida, sem quebrar nenhuma lei da física, e ainda tem o potencial de solucionar o problema da energia (da quantidade exorbitante necessária hoje para alcançarmos lugares tão além do nosso planeta).

Bolha de dobra:

Em termos de mecânica do motor, a idéia depende basicamente de um objeto esferóide colocado entre duas regiões do espaço-tempo (uma expansão e uma contratação). Uma “bolha de dobra” geraria o que se move no espaço-tempo ao redor do objeto, efetivamente reposicionando-o. O resultado final seria viagem com velocidade mais rápida do que a luz, sem o objeto esférico (a nave espacial) ter que se mover com respeito à sua estrutura local de referência.

Ou seja, através da criação de uma “bolha de dobra”, o motor da nave irá comprimir o espaço à frente e expandir o espaço atrás de si, movendo-o para outro lugar sem sofrer nenhum dos efeitos adversos dos métodos de viagem mais rápida que a luz.

“Nada localmente excede a velocidade da luz, mas o espaço pode se expandir e contrair em qualquer velocidade”, explica White.

Dificuldades:

Ainda assim, criar esse efeito de expansão e contração do espaço-tempo de forma a chegarmos a destinos interestelares em períodos de tempo razoáveis exige muita energia.

Avaliações iniciais sugeriam quantidades de energia monstruosas, basicamente iguais à massa-energia do planeta Júpiter (que é de 1,9 × 10 elevado a 27 quilos ou 317 massas terrestres). Como resultado, a idéia tinha sido posta de lado no passado. Mesmo que a natureza permitisse uma velocidade de dobra, nunca seríamos capazes de criá-la.

No entanto, White afirma que, com base na análise que fez nos últimos 18 meses, pode haver esperança. A chave, segundo ele, pode estar em alterar a geometria da dobra espacial propriamente dita.

Dobra otimizada com bolha

Dobra otimizada com bolha

White percebeu que, se otimizasse a espessura da bolha de dobra (mudando sua forma de anel para uma forma de rosca), e oscilasse sua intensidade para reduzir a rigidez do espaço-tempo, poderia reduzir a energia necessária para fazê-la funcionar.

White ajustou a forma de anel feita inicialmente por Alcubierre, transformando o esferóide de algo que parecia um halo plano para algo mais grosso e curvo.

O novo design pode reduzir significativamente a quantidade de matéria necessária; White diz que a velocidade de dobra pode ser alimentada por uma massa ainda menor do que a sonda Voyager 1. A redução da massa de um planeta do tamanho de Júpiter a um objeto que pesa apenas 725 kg redefiniu completamente a plausibilidade do projeto.

Essa plausibilidade é muito interessante, mas ainda é teórica. Agora, White e a equipe da NASA buscam provar que o conceito pode ser prático. Para tanto, eles estão fazendo diversos testes, como a medição das perturbações microscópicas no espaço-tempo a partir de uma versão modificada do interferômetro de Michelson-Morley. Ou seja, os pesquisadores estão tentando simular uma bolha de dobra em miniatura usando lasers para perturbar o espaço-tempo.

“Pilha de Chicago”:

E então: uma nave que viaja além da velocidade da luz sem perturbar as leis do universo pode ou não ser construída?

“Matematicamente, as equações de campo prevêem que isso é possível, mas ainda temos que reduzir esta idéia à prática”, afirma White.

Ou seja, antes de dizermos que tal coisa é possível, precisamos de algo chamado de “prova de existência”, que White apelidou de “Pilha de Chicago”, em uma referência a um grande exemplo prático.

No final de 1942, a humanidade ativou o primeiro reator nuclear do mundo em Chicago (EUA), gerando meio Watt, energia que não era suficiente para alimentar uma lâmpada – mas foi uma prova de que ele era possível. Pouco menos de um ano depois, nós ativamos um reator que gerava energia suficiente para abastecer uma pequena cidade.
White está confiante. “Esta brecha na relatividade geral nos permite ir a lugares de forma muito rápida, medida da mesma forma por observadores na Terra e observadores a bordo do navio – viagens medidas em semanas ou meses ao invés de décadas e séculos”, disse.

Só que, no momento, a realização de tal projeto está no “modo de ciência”. “Eu não estou pronto para discutir a proposta muito além da matemática e de abordagens modestas controladas em laboratório”, conclui.

Fonte: http://io9.com/5963263/how-nasa-will-build-its-very-first-warp-drive

Fiquem na Luz!