A Morte Não Existe

Mensagens, depoimentos e informações sobre a história da Joyce

Arquivo para visita ao cemitério

Não Quero ninguém no cemitério!

Em 13 de agosto de 2001, dez dias após fazer sua passagem, Joyce enviou mensagem que finalizava com:

“…
Eu não quero ninguém no cemitério.
Eu não estou lá!
A morte não existe.
Eu estou viva
Eu estou bem
Eu estou feliz
Eu amo vocês.
Eu estou sempre com voces.
Beijos,
Joyce”

Agora, com a passagem do dia de ‘finados’ nos perguntamos se nossos pensamentos não deveriam ser direcionados para as lembranças boas do que passou e de regozijo com estas almas que fizeram parte de nossas vidas e hoje nos cuidam desde ‘o lado de la’.

Agora, em 30 de outubro de 2012 canalizei mensagem da Joyce que principiava por:

“Procurem através de muita leitura, cursos, e palestras o conhecimento para entenderem que o Universo é maior do que se imagina, que existe uma força maior que rege tudo, que planta suas flores e as colhe quando estiverem prontas.
Falar deste tema (morte) é desafiar uma cultura arraigada que nos foi passada de geração em geração, como uma receita de bolo de família. Ninguém ousou desafiar esta receita inovando seus ingredientes. Mas hoje, com a abertura de informações dos mais variados temas que “pipocam” em todos os cantos do planeta, manifestados através de seres de outras dimensões, podemos começar a fazer nossas próprias experiências alterando a receita do nosso bolo. Podemos ir adaptando a receita conforme fique melhor ao nosso paladar, ao nosso processo de amadurecimento, de expectativa e melhora de vida.”

Ofereço estes pensamentos para que cada um possa refletir, seguir seu coração e buscar cada vez mais o conhecimento da vida!

Fique na Luz!

Finados – Dia para homenagear e não para ficar triste!

Finados é uma data que deveria ser de homenagem e não de tristeza.

Porque chorar a morte se A Morte Não Existe?

Existe apenas a passagem de um estado para outro, de uma dimensão para outra.

A essência da alma continua.

Homenagear as pessoas que já partiram, é lembrar os bons momentos compartilhados juntos.

Não importa quanto tempo elas ficaram ao nosso lado, mas sim, a essência do que foi vivido e compartilhado. Do aprendizado, do amor e da alegria desta convivência. Estas lembranças devem ficar para sempre na nossa memória e devem priorizar sobre qualquer outra dificuldade ou dor.

Afinal, como disse a Joyce:

Eu não quero ninguém no cemitério.

Eu não estou lá.

A morte não existe

Eu estou viva.

Eu estou bem.

Eu estou feliz.

Eu amo vocês.

Eu estou sempre com vocês. 

A volta para nossa origem é a coisa mais certa que existe desde o primeiro dia em que fomos concebidos.

Porque lamentar então?

Vivamos cada dia com entusiasmo e amor. Busquemos o conhecimento das leis divinas para que possamos aplicar aqui, nesta dimensão, aquilo a que nos propusemos para cumprirmos com nossa missão satisfatoriamente.

Viver não é seguir um caminho e sim mudá-lo para melhor.

A plenitude do amor está em fazer a diferença! 

Fiquem na Luz!